Vamos falar sobre prazer sexual feminino?

prazer sexual

Hoje vamos falar sobre sobre um assunto delícia, pelo menos, é pra ser né? O prazer sexual! Logo eu, escorpiana, escrevendo um texto pra falar daquilo que a gente gosta. E pra entrar no clima, do meu lado têm uma taça de vinho, uma vela e uma playlist bem sensual.

O tema é uma singela homenagem ao dia do sexo (06/09). Logo ele, que carrega tantas coisas pessoais, tantos tabus e tantas questões que falam sobre nós mesmos, sobre o autoconhecimento.

Prepara aí do outro lado sua taça de vinho e vamos bater um papo sobre esse assunto que ainda é tão delicado para nós mulheres, o nosso prazer sexual.

Sexo é tabu ainda, sim!

A gente precisa começar falando sobre isso, como é a sua relação ao falar do sexo? Isso te intimida ou é algo fácil para você? Seu parceiro(a) sabe dos seus desejos, do que te dá prazer? E você, sabe o que te dá prazer?

Poxa, quantas perguntas, não é mesmo? Muitas de nós mulheres não conseguimos responder metade delas, e sim, a sociedade é a grande culpada por isso.

A maneira como somos ensinadas

Pára para pensar, quantas vezes na escola, nas aulas de educação sexual ensinaram o que é o prazer, como funciona de fato o toque, os desejos e que isso é normal?

O ensino sexual é embasado em uma relação sexual tradicional de uma sociedade heterossexual e se formos parar para pensar, isso é extremamente retrógrado temos que tratar como algo normal e abordado dentro das diversas formas de sexualidade. O sexo vai acontecer independente desse tipo de abordagem ocorrer, por que não facilitar as coisas?

Sem contar que, falar somente sobre a penetração e como previnir as doenças – não estou diminuindo nem um pouco a importância disso, pelo amor de Deus – é o único assunto tratado dentro da educação sexual, como se o prazer da mulher fosse exclusivamente atrelado a relação homem e mulher, como se o prazer só viesse com a presença masculina.

Os reflexos da religião e do patriarcado

Lembrando que, a religião durante muito tempo – principalmente em algumas partes do mundo – conseguiu e ainda consegue ditar regras para nós mulheres, como o fato da masturbação e do sexo por prazer pudesse ser única e exclusivamente masculina.

Quantas vezes você ouviu de um adulto durante a sua infância frases como “fecha a perna menina” ,”que feio dizer/fazer isso”. E ainda, quando crescemos passamos uma vida ouvindo “não transe no primeiro encontro”, “não seja tão solta assim”, “não fale sobre sexo, senão ele só vai querer te comer”, “não use roupa curta”.

Somos e fomos regradas a vida toda por um patriarcado que o tempo todo trata nossa imagem de forma sexualizada, mas que na verdade quer que a gente só seja sexualizada se for exclusivamente pelos homens, não por nós mesmas.

Tanto é que, se observamos nas falas masculinas é sempre o homem que come a mulher, sempre o homem que tem o papel de sedutor e conquistador – e vamos e venhamos, muitas vezes eles não fazem mais que a obrigação, né mores.

Não podemos esquecer de como essa imposição social também é prejudicial com a forma como nós mulheres lidamos com o nosso corpo, é tanto padrão a ser seguido que muitas vezes nos sentimos inseguras ou com vergonha de algo que é nosso e único, o nosso corpo!

Como quebrar esses tabus? Acredito que seja passando isso para as novas gerações, sendo mais compreensivas umas com as outras, se amando mais e sendo sinceras com o outro. Ter um diálogo com os nossos parceiros e amigos do sexo masculino, afinal, a gente também adora uma fornicação assim como vocês, queridos.

Você se toca?

masturbação e o prazer sexual feminino

Falar sobre o prazer sexual feminino seguido do tema anterior faz todo o sentido. A masturbação é um dos maiores tabus para as mulheres, você mesma que está lendo, quantas vezes já deve ter se envergonhado por ter se masturbado, por ter sentindo um pouco de prazer em alguns tipos de toques.

E eu tenho algo a confirmar, que você já deve ter ouvido muito por aí, se masturbar é se autoconhecer. Mas por que?

Em primeiro lugar, quando nos conhecemos, sabemos o que gostamos, paramos de procurar apenas agradar o outro, fazer um sexo em que o seu(ua) parceiro(a) seja o único beneficiado de orgasmos e de prazer. Lembrando que uma relação pode ser sim muito prazerosa mesmo sem o orgasmo, as vezes ficamos tão preocupadas em gozar que paramos de prestar atenção no processo todo que pode estar sendo uma delícia.

Quando passamos dessa etapa do autoconhecimento, estamos aptas a passar por mais uma etapa importante: conversas com o(a) seu(ua) parceiro(a) sobre as coisas que você gosta, sexo a dois já diz que é a dois então, o que os dois sentem importa e pode tornar uma ligação entre duas pessoas ainda mais incrível.

Outras questões sobre a masturbação estão ligadas a saúde, elas aliviam o estresse, pois o orgasmo libera endorfina em nosso corpo e nos faz dar aquela relaxada goxxtosa.

Além disso, auxilia na diminuição das cólicas menstruais devido ao trabalho muscular que ocorre na região. Assim como também ajuda na prevenção da incontinência urinária devido também a esse trabalho muscular.

Este ato tem também como benefício a prevenção de infecções vaginais, pois ao atingir o orgasmo os músculos do colo uterino se alongam, liberando o muco presente na região do colo. “As eventuais bactérias que podem estar ali localizadas são expelidas reduzindo a chance de infecções.”

FIRMINAS

Outra informação útil é, experimente sempre diversas formas de se tocar, isso faz com que o corpo não fique condicionado apenas a um tipo de estímulo, explore o seu corpo!

Mas você não tem “coragem” de se tocar? Experimente, sem vergonha de si, você vai se sentir muito mais poderosa. E se te ajudar, procure ajuda de brinquedos sexuais, eles podem ser uma mão na roda.

Ahhhh, o orgasmo!

prazer sexual feminino e o orgamo

Falando em números, estudos feitos com 1.370 mulheres em todo o brasil, de 18 a 60+ anos, apenas 16% tem prazer apenas com a penetração. É meu amigo, se você está lendo esse post saiba que por mais que a gente adore uma rola, você precisa se esforçar um pouco mais.

Isso acontece porque nós mulheres somos muito mais fantasiosas, precisamos de muito mais estímulos, carinho e o nosso tempo em relação ao ponto de chegada é diferente dos homens, por isso que a maioria das mulheres homossexuais ou bissexuais acabam tendo muito mais orgasmos nos seus atos sexuais.

São 27% das mulheres que gozam com sexo oral, 22% com estímulo no clitóris e 10% com estímulo na vulva. A vagina tem mais de 8 mil terminações nervosas, por que não explora-las?

Devemos levar em consideração que os fatores psicológicos são grandes contribuintes nessa história de gozar, 65% das mulheres dessa pesquisa já sofreram abusos (de diversas formas) e dentro deste número, 25% foram abusos sexuais.

Já falamos antes sobre a masturbação e sabemos como os brinquedos sexuais são grande benfeitores, então por que não usa-los durante a relação?

Homens, entendam, o vibrador não é o seu inimigo, pelo contrário, é seu aliado. Afinal, por que não dividir as 8mil terminações nervosas com ele?

Agora, pra finalizar esse papo, gostaria de dizer para vocês, não existe fórmula mágica para o orgasmo, você deve conhecer os seus prazeres e impor seus limites. Assim como não existe sexo bom ou ruim, isso vai muito de vibe, sintonia e dessa conciliação de gostos entre o(a)s parceiros(as).

E aí, bora comemorar o dia do sexo? Pode ser com um parceiro(a), pode ser com você mesma, com o seu estimado vibrador…o importante é se sentir feliz e completa!

Já que estamos tão sexy’s hoje, você pode gostar do post sobre esse objeto de fetiche para muita gente “Uma segunda pele: o látex”.

Fontes: Abahton, BBC, Firminas, VOGUE, Revista Marie Clair e Bom dia, obvious (disponível no Spotfy).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *